Mostra com curadoria “quase invisível” propõe a livre exploração do observador.

Encontra-se em cartaz “MAC no Século XXI – A Era dos Artistas”, uma exposição coletiva que exibe um conjunto de cem obras de artistas brasileiros e internacionais, pertencentes ao acervo do Museu de Arte e Cultura da Universidade de São Paulo (MAC/USP). São trabalhos com madeira, impressão em cores sobre papel, óleo sobre tela, mármore e gesso, acrílica sobre tela, fotografias e vídeos, entre outros. A maioria delas foi doada por seus autores; as demais foram adquiridas por meio de outras contribuições.

Responsável pela mostra, Katia Canton, que também é artista, optou por colocar em ação uma curadoria que considera “quase invisível”, em que as obras estabelecem o próprio diálogo com o visitante. Procura-se evitar limitações do tempo e lugar, leituras prévias ou percursos conceituais preestabelecidos. No contato com as peças, cabe a exploração livre e as referências particulares do observador, que fará relações de identidade, de alteridade e outras reflexões possíveis.

Assim, o visitante é convidado não a conhecer determina proposta curatorial, visto que não há um direcionamento. Ele irá articular seus próprios saberes na relação singular com os objetos que integram os espaços das galerias, introduzindo perspectivas filosóficas, sociológicas, antropológicas, históricas, entre outras possibilidades que se apresentam intrínsecas ao trabalho artístico. A escolha desse tipo de sistematização se deu após pensar em vários caminhos para expor esse recorte da coleção do MAC/USP.

A exposição teve início no dia 20 de maio deste ano e tem uma temporalidade expandida; serão cinco anos em cartaz, com trocas e incorporações de novos itens. O horário de visitação é das 10h às 21h, às terças-feiras, e das 10h às 18h, de quarta-feira a domingo, no seguinte endereço: Avenida Pedro Álvares Cabral, 1.301, Parque Ibirapuera, cidade de em São Paulo. A entrada é gratuita.

Eis algumas das obras exibidas em “MAC no Século XXI”:

Albano Afonso, “Autorretrato de modernos artistas latino-americanos e europeus”, 2005.

Sandra Cinto, “Tempestade Noturna”, 2010/11.

Regina Silveira, “Una vez más”, 2012.

João Loureiro, “Zootécnico”, 2009.

Jonathas de Andrade, “Educação para Adultos”, 2010.

Felipe Cama, Páginas 648 e 649 da série Foi Assim Que Me Ensinaram, 2012.

Júlio Leite, “Palavras cruzadas em azul”, da série Croma, 2013.

Marepe, “Caldo Impresso”, 2015. (Máquina de caldo de cana).

Claudio Cretti, Sem título, 2003, Série Céu Tombado.

Deborah Paiva, “Amigos”, 2012.

Iran do Espírito Santo, Sem título, 2002.

Lucas Simões, “Tendências da Escultura Moderna”, 2012.

Marina Abramovic, “Retrato com Lenha”, 2009. Foto: Reprodução.

Vânia Mignone, Sem título, 2014.

 

por Ato Escrito

Estas e outras informações:  www.mac.usp.br.

Crédito das Imagens: Cecília Bastos/USP Imagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *